Importante

Todos os textos do blog, em prosa e verso, a não ser quando creditado o autor, são de minha autoria e para serem usados de alguma forma, necessitam de prévia autorização.

sábado, 22 de abril de 2017

Palhaçada

Sempre tive fascínio pelo circo e em particular pelos palhaços.


Palhaços povoam o imaginário de todo mundo.

Eles representam nosso lado iconoclasta, transgressor e anárquico.

O bobo da corte era uma espécie de canal tolerado que servia de válvula de escape do povo.

Os palhaços nos fazem rir. Rir de nós mesmos.

Palhaço é o menino que cresceu e continua menino, traquinas, lúdico, sem planos, sem neuroses nem medo da vida.

Charlie Chaplin foi um dos grandes palhaços da História. Não por acaso veio do circo. Encarnava, a seu modo super peculiar, a figura do “clown”, melancólica e poética. Chaplin, com seu Carlitos, encarnou esse arquétipo e enterneceu e fez rir a muitos e sua arte permanece viva com toda a sua universalidade. Chaplin foi um grande poeta sem palavras.

Como Carlitos, os palhaços sonham, se frustram, apanham, questionam, se atrevem. Mas no fundo não levam nada muito a sério. Sua irreverência nos assusta, mas nos redime. Estão nos picadeiros a nos dizer de forma explícita, mas também subjacente, que apesar de tudo a vida e a gente são pra ser felizes.


O espetáculo acaba e levamos conosco o riso e a leveza que acalenta a alma.



Na lona


No maior estardalhaço
Teatral espalhafato
O mais sério dos palhaços
arma o circo e monta o ato

E cidade após cidade
O feroz sobrevivente
mente verdadeiramente
as mentiras e as verdades

Delicado, às vezes rude
Nos imita e nos ilude
nesse jogo de espelhos

Rege a banda e chuta a bunda
Na tristeza mais profunda
faz-nos rir, velhos fedelhos


sábado, 15 de abril de 2017

Areia movediça

Não tenho (e nem acho que se deveria ter) a pretensão de ditar

regras e criar ou perpetuar normas engessantes.

Mas mesmo a indulgência tem limites.

O erotismo na arte. Com frequência se constata a areia movediça em que essa associação se converte. Perigos potenciais que rondam os criadores, à espera e espreita de um instante de distração.

Erotismo é tema oportuno, necessário, mas também é traiçoeiro e requer permanente foco no que escape aos clichês, fuja do grosseiro, contorne o piegas (sim, não só nos poemas de amor!) e passe ao largo do sacralizante.

Nunca é demais lembrar que erotismo e sexo não são sinônimos.

Texto erótico pode sim, descrever situações cotidianas, (fugindo assim do permanentemente etéreo e ou sacralizante, mas não ser banalizante na forma e na narrativa..

Erotismo não precisa redundar necessariamente em ares sérios. O lúdico é bem-vindo.

Texto erótico pode sim, ter momentos chulos, mas não a ponto de converter um texto numa pichação em banheiro público.

Bom gosto, refinamento, a fronteira do rude com o delicado, são temas discutíveis e até certo ponto subjetivos. A meu ver a mistura disso tudo e não o isolamento em elementos estanques é o que costuma desaguar no melhor que a arte erótica pode nos oferecer.

imagem: Vee Speers






sábado, 8 de abril de 2017

Sem limites.com?


O artista é, antes de mais nada, um cidadão, com suas consequentes interações e implicações. E como cidadão que é, repercute e reverbera fatos, sentimentos, sonhos, perplexidades, alegrias e tristezas, sombra e luz, desesperos e alentos.

Artistas e não artistas, dicotomicamente são diferentes e semelhantes. O artista e a arte trafegam entre limites. Não fosse assim, que impacto a arte teria, ou seja, o que ela traria de contribuição para o pensar e sentir a vida e o mundo? Cabe ao artista não só exaltar as belezas, de certa forma as confirmando, mas também provocar, tirar as pessoas de sua zona de conforto, inspirá-las. Sem este mínimo de atrevimento, a arte se reduziria a mero acessório e enfeite.

Mas dar livre vazão a essas ousadias é salvo-conduto para um proselitismo maniqueísta, por exemplo? Arte e artista são livres a ponto de propagar ódio, violência, preconceito e discriminação?

 Particularmente penso que causa e efeito não devem ser confundidos. O veículo empregado não tem “culpa” e qualquer um pode se escudar por trás da arte para disseminar suas ideias e ideais de ódio e violência, assim como pode optar pelo simples discurso direto sem veleidades pseudoartísticas.

O artista mostra saúde quando não se omite, quando toma partido e não se apresenta indiferente a causas e questões particulares e globais. Mas a arte agradece quando ainda assim não faz juízos de valor. Garcia Lorca e Maiacovski são exemplos lapidares disso.

O artista é um ser social e quem vai estabelecer e mensurar limites à sua expressão, além da sua própria consciência, serão seus pares e fruidores, seja pelo aplauso e corroboração, seja pela rejeição e repúdio.

Aí se abre uma delicada discussão sobre a legitimidade (ou sua negação) da censura e a liberdade de expressão.




Noturno

Um sino sem seu badalo
balança em total silêncio
Quisera ser um cavalo
Ele não pensa, eu penso

Um vento sopra de lado
Qual caranguejo evasivo
Carregando o mapa errado
Tesouro em vulcão ativo

Rastros na areia desfeitos
Deuses do mar são suspeitos
A lua desvia o olhar

Num centauro convertido
Mando flechas num sentido
Que voltam pra me alvejar


sexta-feira, 24 de março de 2017

Arrima



A rima é prima da música, canção quase sempre rima, repentista rima bem e fácil e veloz. Rima-se no papel e na voz, nós rimamos por instinto e tradição, rima é mnemônica até no Eduardo e Mônica. Rappers rimam feito ímã que atrai o som, rimar é bom mas Neruda, não se iluda, fez sonetos de amor sem rima alguma. Leminski e Millôr, agudo humor, puseram rima em haicais geniais, aliás Shakespeare rimava mas poeta atual manda às favas rima escrita e verbal. Rimar é o mar que ri porque o poeta remar lhe causa cócegas. Rimar às cegas é como poça no fim do escorrega mas rimar com verve o poema ferve. Rima rica rima pobre e preciosa, se a alma goza e não é pequena rimar vale a pena. Rima é facultativa mas se surge a diva ao luar como não rimar?



Devir


Dia virá
em que a ostra
porá à mostra
sua pérola íntima
Dia virá
em que Buda, Krishna, Cristo, Alá
serão um só
e ouro em pó vai revestir
os pregos do faquir
e a Aurora Boreal
Dia há de vir
em que nada fará mal
e o desigual será matiz
de todo igual que lhe é matriz
E nesse dia
a poesia se dirá

mesmo em silêncios


sábado, 18 de março de 2017

sábado, 11 de março de 2017

Etérea matéria


Somos  seres regidos pela dicotomia corporal/mental, sensação/sentimento, matéria/espírito.

A angústia predomina quando essas duas naturezas por algum motivo não se harmonizam.
Não importa  o sentido do caminho, quando o denso e o impalpável se interpenetram, vem a plenitude e a alegria.

Camile Claudel esculpe em bronze e sua pequena estátua  como que grita e explode em vida na percepção de quem a vê.
Um violinista extrai da madeira e das cordas notas musicais que invadem o ar rumo aos tímpanos dos ouvintes criando imagens e emoções intangíveis.

Nossa  porção corpórea tende a ser cartesiana, materialista, lógica, de crer no que vê, e buscando a transcendência de ver o que crê.
Afeto e tesão podem se originar um do outro.  De novo vale a via de mão dupla onde se cruzam e encontram nossas naturezas dicotômicas.

Beijar e abraçar são atos físicos que além de afetar os sentidos são plenos de energia emocional sentimental impalpável  e dotados de carga fortemente simbólica, logo, intangível.

O corpo se ressente do que lhe basta e falta, na sua contraparte corpórea, matéria que atrai matéria, mas, já querendo mesmo rimar, a alma que nos anima é etérea que atrai etérea. Então esse lado nosso mais sublime se liberta de seu veículo somático e, intangivelmente vence distância e tempo e de modo invisível cria novas realidades que nem por serem intangíveis são menos reais. Como o amor.



Os três sentidos


Mesmo que entre nós exista um mar
Três milhões de torres e portais
Dez mil anos-luz, quem sabe mais!
Não se faz preciso te tocar

Antes que o meu nome tu recordes
Já surgi veloz em pensamento
Meio suspirar e já estou dentro
Nada que é do sonho e do que acordes

O amoroso elétron toma senso
Ínfimo, agiganta o gozo extenso
E ambos são Golias e Davi

Triplo é o sentido do sentido
Corpo, mente e espírito fundidos
Pleno é o sentimento: agora e aqui



sábado, 4 de março de 2017

Palavra: o que não a mata, a fortalece


Os futurólogos e gurus da informática não puderam prever a verdadeira erupção do vulcão adormecido da palavra escrita, com a popularização da Internet.

O advento do computador pessoal, portátil ou não, está criando novos amantes da palavra e quiçá futuros escritores, ou no mínimo ávidos leitores, familiarizados pelo intenso treinamento da febril digitação de mensagens de texto ou mesmo em conversas em tempo real nos instant messengers em notebooks e smartphones. Sim, porque recentíssimas pesquisas mostram que os jovens preferem a comunicação por escrito às conversas de viva voz. Basta que observemos: a quantidade de gente digitando mensagens é muito maior do que a gente falando nos celulares.

Ora, direis, que esse, digamos, novo paradigma não aponta necessariamente para uma evolução, um aperfeiçoamento massivo de hábitos, mas quais parâmetros nossos serviriam de base para esse julgamento? As bienais e feiras do livro desmentem isso de forma concreta, o livro, ou seja, em última instância a linguagem escrita, a palavra impressa está reavivada, redimida, resgatada. Se isso vai perdurar, não arrisco prever; nesses tempos velozes e vorazes tudo pode mudar.

Mas...peguemos carona nesse bonde pós-moderno e nos deixemos levar por onde e para onde a palavra nos queira levar, com seu poder de nutrir a imaginação, de instigar as ideias e o debate delas. Sou um eterno apaixonado pelas palavras e a cada momento percebo que existem muito mais iguais a mim do que eu antes podia imaginar.


Vide bula


Palavra é ritmo e dança
Brinquedo de desmontar
Palavra é de som e ar
Aguda ponta de lança

Contida, exaltada. chula
Chicote ou doce canção
Carícia ou demolição
Na dúvida vide bula

É mapa, é lei, estrutura
É luz numa mina escura
Ou pura contradição

Mentira mais verdadeira
Verdade mais traiçoeira
Não diz sim e sim diz não


sábado, 11 de fevereiro de 2017

Poemas de rua

Nesses tempos de tablets, smartphones e outros “gadgets”, ainda não me acostumei com escrever, criar, nesses pequenos dispositivos. Já tem alguns anos que criei o hábito de escrever direto no computador, mas a escrita à mão não abandonei completamente; num caso isolado ou outro, ainda lanço mão (literalmente) da caneta e papel, que foram meus instrumentos por longo tempo.

Mas o problema é quando não estou em casa. Romancistas e contistas são escritores eminentemente caseiros no ato de escrever. Eu diria essencialmente caseiros. A escrita deles é extensiva e contínua, ao passo que os poetas são mais fragmentários, mais econômicos e imagens, ideias, palavras vão surgindo meio atrevidas e insolentes e sem escolher hora e lugar pra “atormentar” seu atarantado porta-voz, que é o poeta. É meio como ser um repentista mais vagaroso e que cria em silêncio.

Sendo assim, o “assalto” ocorre numa fila de banco, no supermercado, correndo na beira da praia, num trajeto de carro, enfim, em situações imprevistas em que nem sempre é possível sacar o smartphone e digitar no bloco de notas.

Já me aconteceu inúmeras vezes e penso que não vai parar: ter que apelar pra minha memória. A minha sempre foi boa, mas a distração e o excesso de informação nos afeta e faz parciais desmemoriados. Mas com a poesia ocorre um fenômeno: a memória se mostra quase infalível. 

Não sei quantas vezes que, sem caneta e papel, sem celular, sem lenço nem documento, fiz estrofes inteiras, às vezes até poemas inteiros ou quase, “de cabeça”. Eu mesmo fico incrédulo e atribuo isso ao medo de perder a ideia, a palavra, o verso e esse medo me faz obstinado a ponto de reter tudo e “salvar” os versos no HD de massa encefálica. A cada trecho já “escrito” reviso, declamo mentalmente e só aí prossigo na criação.

Quando chego em casa, aflito, corro pra máquina, olho pro teclado e despejo tudo na tela, com grande alívio, nesse louco “delivery” de poemas de rua.

Não recomendo esse hábito a ninguém, o risco da perda é alto. Só que acho mais perigoso ainda cair num bueiro aberto enquanto estou correndo e ao mesmo tempo escrevendo um poema no meu celular.


O poema a seguir é um desses “poemas de rua” que escrevi sem escrever. Um poema “de mente”.
                                                                     

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Universalidades particulares


Tive de recorrer à prosa poética pra me colocar.


Habeas porcus

Nas cidades perplexidades nos campos escassos pirilampos um Chapolin do Mal Trumpolim pra famigerada fama de demolir o barraco de Obama sinal dos templos maus exemplos vindos de cima as loucuras do clima futuro sombrio como o frio novo Muro de Berlim no fim da picada texano insano enquanto no resto do mundo crianças sem esperança em nada são fulminadas pela fome ou pelos homens com balas perdidas e achadas enquanto a utopia entupia e virava entropia enquanto o pinto pia a pia pinga e ninguém nos vinga nem redime ainda bem que meu time foi campeão e essa terra não tem vulcão nem ciclone só uns clones drones e iphones e outras muambas de Cochabamba e logo é Carnaval, que mal habeas corpus sarados bronzeados...

                             

sábado, 28 de janeiro de 2017

Considerações gerundiais




O que não se pressente

O agora é o presente que a gente ganha da vida sem barganha a saída do que veio o papel amassado do passado o recreio o recheio cheio de sabor o calor que nos move mesmo se chove a nau que singra o mar e não o não que sangra sem parar feito os defeitos que não se quer relembrar agora desfeitos o presente nos é dado desmontado e a gente monta apronta aos poucos loucos pra que resulte e a gente exulte e o presente presenteia e se tece a teia de eventos sentimentos inventos sentidos de incontidos improvisos de entãos fugazes e mãos cheias de ases no jogo do logo do fogo que se sopra e ele alopra vivaz no lume e os cumes e grotões são intercalações que urgem surgem passam e o novo vem de trem de escada do nada pro mal pro bem e tal com sal ou sem now vem de surpresa incerta comporta aberta da represa

                                                                                              

sábado, 14 de janeiro de 2017

Sou neto

Sou o que chamam de sonetista, ou seja, alguém que ousa tentar escrever sonetos.


Sonetos, na forma, são poemas de 4 estrofes, dois quartetos e dois tercetos, totalizando 14 versos. Vêm da tradição literária francesa e inglesa. Shakespeare os escreveu, Pablo Neruda e Augusto dos Anjos também, entre tantos outros luminares do gênero.

Lembro-me do fascínio e do impacto estético e existencial que a leitura, ainda adolescente,  dos sonetos de Augusto dos Anjos me causou. O registro disso no meu inconsciente deve ter sido tão marcante que, mais tarde, vim a me aventurar pela escrita deles.

Sonetos são considerados, quase uma unanimidade, de feitura árdua. E não é pra menos. Os cânones que o caracterizam são precisos e rigorosos. Você tem que expressar sua ideia e emoções em exatos 14 versos, iniciados por dois quartetos e finalizados por dois tercetos. A métrica não se impõe com menos rigor. A estrutura das rimas, sua disposição ao longo do texto, até que aceita algumas variações, mas a simultaneidade disso tudo cria dificuldades para seus autores.

Manter a coerência da sua ideia, tendo de cuidar da métrica rigorosa, das rimas em seus devidos lugares, leva quem os escreve a exercitar uma espécie de jogo de armar, onde a criação e encadeamento dos versos não segue necessariamente uma linearidade. Pra ilustrar com um exemplo pessoal, certa vez comecei a escrever um soneto pelo último verso.

Sim, confirmo que sonetos são de construção árdua, mas ocorre que isso me instiga, desafia. Poucas coisas são tão prazerosas para um sonetista - se me permitem falar por todos – que contemplar um novo soneto concluído e se dar conta de que ele ficou bom. Que, a despeito das dificuldades impostas pelos rigores das regras, ele conseguiu se expressar. Chego a pensar que tais “obstáculos” não raro estimulam a criatividade e as boas ideias até mesmo pra contornar as limitações.

Às vezes, por puro espírito lúdico, mesmo quando a proposição temática é densa, me imponho ainda mais rigores, como por exemplo: me propor a escrever um soneto só com palavras monossílabas, ou proparoxítonas, ou com uma única rima em todos os versos. São pequenas  transgressões que me permito, ao mesmo tempo em que crio essas regras extras.


Sonetos são uma das mais tradicionais formas poéticas. Tem tantos apreciadores, tanto seus autores quanto leitores, que seguem firmes até hoje, com relativo volume de produção, em que pese o temor que inspira em muitos poetas.


Particularmente, gosto de escrevê-los em sua rigorosa forma clássica, mas também refrescá-los com experimentações. Meu fascínio de adolescente com o tempo se transformou num prazer difícil de descrever ao construí-los, mesmo quando me ponho a mudar palavras em busca da perfeição da sonoridade e do ritmo, mudar por vezes um verso inteiro ou até uma estrofe inteira, tal qual uma mulher sedutora e atraente que no entanto se revela difícil e exigente. 



sábado, 7 de janeiro de 2017

Quintanista

E o blá blá blog completa 5 anos. Tem casamento que não dura isso, compromisso sempromisso. Casamento aqui tem como cônjuges vocês, leitores e eu, autor. E ele tem sido bem sucedido. Mais de 50 mil visitas. Então penso que nenhuma das partes tenha sentido solidão. E nem falta de paixão, pelo menos do bardo que vos fala. Poeta que não se cala e segue atento a todo movimento, desde essa esfera azul que gira incessantemente e é nossa casa, até o sublime/profano das assinaturas humanas.


Desde o início a proposta foi conversar com o leitor, na medida do que é possível num blog. E ele tem mantido a proposta. Não sei se nas linhas e entrelinhas, nos textos e subtextos é possível perceber o prazer que me dá postar. Podem apostar, ele é grande. Parto da premissa da troca entre pessoas, não importa se autoras ou só” leitoras, que têm em comum comigo o gosto pela poesia.

Nunca quis que o blá blá blog fosse um mero receptáculo dos meus poemas e venho exercitando uma prosa que aborda variados aspectos dos fazeres poéticos e também temas relacionados com a vida, o tempo, os mistérios, as paixões humanas.

Não é um diário, mas pensando bem é meu diário de bordo. São até agora 234 posts, mas minha sensação é muito mais de qualidade que de quantidade. É meu confessionário, meu pensar em voz alta e uma racionalização das minhas emoções. Quem sabe também emocionalizações da minha razão.


Agradeço de coração aos que embarcaram e seguem embarcando nessas minhas viagens e asseguro que há outros caminhos ainda a percorrer.