Importante

Todos os textos do blog, em prosa e verso, a não ser quando creditado o autor, são de minha autoria e para serem usados de alguma forma, necessitam de prévia autorização.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Universalidades particulares


Tive de recorrer à prosa poética pra me colocar.


Habeas porcus

Nas cidades perplexidades nos campos escassos pirilampos um Chapolin do Mal Trumpolim pra famigerada fama de demolir o barraco de Obama sinal dos templos maus exemplos vindos de cima as loucuras do clima futuro sombrio como o frio novo Muro de Berlim no fim da picada texano insano enquanto no resto do mundo crianças sem esperança em nada são fulminadas pela fome ou pelos homens com balas perdidas e achadas enquanto a utopia entupia e virava entropia enquanto o pinto pia a pia pinga e ninguém nos vinga nem redime ainda bem que meu time foi campeão e essa terra não tem vulcão nem ciclone só uns clones drones e iphones e outras muambas de Cochabamba e logo é Carnaval, que mal habeas corpus sarados bronzeados...

                             

Um comentário:

  1. Poeta, você é genial até (e principalmente) quando fala do caos! Aplauso!

    ResponderExcluir