Importante

Todos os textos do blog, em prosa e verso, a não ser quando creditado o autor, são de minha autoria e para serem usados de alguma forma, necessitam de prévia autorização.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Ões


Se paixão não fosse vulcânica, não teria esse som de aumentativo. Seria só paixa, ou até paixinha. O mesmo se aplica a tesão, coração, vulcão.

Imagine lava sendo cuspida nas alturas e no noticiário: “O vulco Etna entrou hoje em erupção...” Que impacto teria? “Não tenho só teso por você, meu coraço dispara quando te vê”...O jornalismo, as declarações de amor e a poesia se ressentiriam disso.

Como coisa superlativa e aumentativa que é, a paixão nos move, abala, pega desprevenidos. Se não existisse a paixão, certamente nosso mundo estaria mais atrasado, seja na Ciência, na Arte, no comportamento e nos costumes. Da Vinci,  Bach, Martin Luther King, Einstein , Platão e Nietzshe teriam sido só pessoas comuns e não teriam ajudado a mover a humanidade adiante.

Se temos paixão por selos, um time de futebol ou pela Natureza, a interação entre o apaixonado e seu objeto de desejo só se dá na fantasia do desejante, portanto se eterniza e com raras ou inexistentes rusgas. Mas quando a coisa é, uni ou bilateral, entre seres humanos, aí já complica bastante.

Focando só o lado doce da questão, esse que costuma plantar sorrisos idiotas em nossos rostos, o belo, oculto de nossos sentidos embotados por uma razão excessiva e sabotadora ressurge e é quando o vulcão tesão coração se assomam e nos tomam, incendeiam, incandescem, entumescem, obedecem, readolescem.


Por querer


Sim, me chame
pra cometer uns vexames
Entrar pela chaminé
Cair cheio de fuligem
Embarcar na tua vertigem
e tirar o chão do pé

Sim, me clame
pra que eu, por mais distante
te ouça e chegue ofegante
pleno de desejo e ânsia
a nado, a pé, de ambulância
agigantado de amor

Rei e rainha
Vamos tocar campainhas
Fugir, rindo de nervoso
Vamos protelar o gozo
no nosso lúdico Tantra
Nossos nomes feito mantras

Se esparrame
na rede do meu abraço
pra juntar cada pedaço
Muitos que sou por você
depois de dançar na chuva
e antes de adormecer

Sim, me ame
que eu te faço um origami
da cor da minha paixão
Me viro em uma canção
que ressoe em teus ouvidos
depois que eu tiver partido



12 comentários:

  1. Respostas
    1. Te agradeço muito,, Maria! Apareça sempre!

      Excluir
  2. Bonito de mais! Estou encantada com a originalidade de suas linhas, Jorge Ricardo Dias...

    ResponderExcluir
  3. amo ler teus poemas! Super inteligentes e sensiveis, tens sido grande companhia poética!!

    ResponderExcluir
  4. Belo texto onde retrata de um sentimento intenso a paixão. Porém passageiro e dominante da razão. Amei o que li parabéns!

    ResponderExcluir