Importante

Todos os textos do blog, em prosa e verso, a não ser quando creditado o autor, são de minha autoria e para serem usados de alguma forma, necessitam de prévia autorização.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Força motriz

Desde os caras pintadas, na Era Collor, a juventude não se manifestava, pelo menos dessa forma coletiva e pujante de agora. Poucas vezes se viu o slogan “o povo unido jamais será vencido” ser tão efetivo. E gente de todas as gerações se comoveu de ver tanta e tão espontânea mobilização.


Nisso tudo, o que mais me chamou atenção foi constatar o sonho vindo à tona, o sonho encontrando instrumentos, ferramentas pra se tornar realidade, transpor esse limiar do intangível e deixar essa natureza abstrata dar lugar ao palpável. E isso veio na palavra, no gesto, nas atitudes. Tem sido bonito ver tanta emoção e idealismo tomando forma e sendo canalizado pra mudança.

O homem sempre, de algum modo, foi movido pelo sonho e pelo desejo da mudança. E a História náo foi e é feita só de empreitadas bem-sucedidas. A Aventura humana sempre foi marcada pela montanha-russa de fracassos e sucessos, luminosidades e trevas, alegrias e tragédias, nesse percurso em permanente construção. E mesmo os fracassos, os retrocessos, ajudaram a pavimentar essa tortuosa estrada. Mais que o sucesso, a vitória, os objetivos alcançados, importa o espírito, a vontade, o anseio de liberdade e justiça e o arrojo e desprendimento de romper com padrões, quebrar velhos paradigmas e no lugar deles criar novos, essa inquietação e inconformismo tão próprios da juventude, essa força motriz e orgônica movendo a vida e tudo o que dela deriva.

É um destemor que, se fosse muito consequente, talvez não empreendesse mudanças dramáticas e profundas. Não foram os pilares do senso comum que impulsionaram os grandes saltos. O componente de uma certa inconsequência, de uma desmesura é que é marca recorrente.

Isso me remete à história de Ícaro, que no seu ímpeto de voar e de escapar do labirinto que o tolhia, não deu ouvidos à advertência de que a cera com que colou as asas ao corpo derreteria ao se aproximar do sol e caiu e sucumbiu. Falhou, mas tentou.

Tomara que nossa juventude faça o sonho virar realidade e com isso herde um país e um mundo melhor. Mas o mais relevante nisso é o desejo. E junto com ele a coragem. Pra empreender as mudanças e pra que isso seja possível, lutar como estão lutando.




Saga


Tão destemido, Ícaro decola
no rumo tão incerto quanto audaz
Não é o gesto heróico dos mortais
mas a ancestral vertigem que o assola

Frágil bem sabe a cera de suas asas
Que o inclemente sol vai derretê-la
Contudo alça o seu vôo até as estrelas
como se fosse o Cosmo sua casa

A queda é o previsível fim da saga
Mas a busca ultrapassa a própria meta
e vai além do oceano que o esmaga

No seu retorno o eólico poeta
mergulha em fogo e luz que se propaga
a clarear os céus de toda Creta




Um comentário:

  1. Tão belo texto, tão lindo momento.Parabéns pela síntese poeta.

    ResponderExcluir