Importante

Todos os textos do blog, em prosa e verso, a não ser quando creditado o autor, são de minha autoria e para serem usados de alguma forma, necessitam de prévia autorização.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Prosapoemando ou poemaprosando



Tem poesia que é prosesca, intencionalmente ou não. E tem prosa que é poética. Guimarães Rosa, com sua prosa narrativa singularíssima foi profusamente poético em romances e contos. Manoel de Barros cria o tempo inteiro montado no dorso nu da poesia, mas, do ponto de vista da forma, produz textos que deixam todos sem ter como rotular e definir onde começa a poesia e termina a prosa e vice-versa. O que é fascinante.

Mas a coisa não fica nisso. Muita poesia que no fundo é prosa involuntária, ilude a visão do leitor do texto escrito, por seu formato de poema, onde “versos” muito mais frases, são dispostos verticalmente, literal e literariamente empilhados de modo que se parecem com poemas. Esses textos, quando ditos de viva voz e assim, apenas ouvidos, tornam mais difícil estabelecer essa distinção.

Por uma simples questão de nomenclatura, chamamos de prosa poética tanto a prosa com laivos poéticos, quanto o poema que flerta com a prosa, na medida em que guarda características da poesia, como as rimas e a rítmica, ao mesmo tempo em que se funde com uma forma de narrar mais vertiginosa, para quem lê em silêncio e também para quando ouvida. Então a prosa poética resume num só termo o que poderia ser chamado também de poesia prosaica. Mas isso não soaria bem.

Os textos de hoje se situam mais no segundo caso: da poesia tomando emprestado o modo “falado” da prosa e que se aproxima do rap,  sem no entanto sê-lo ou imitá-lo.




                                                                                 

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir